22 de set de 2011

Genesis - Genesis Live (1973)



Está aí um álbum o qual eu tenho uma enorme admiração, mas sempre que olho pro seu tracklist não tem como ficar sem questioná-lo com uma simples pergunta, Porque apenas 5 músicas ?, pois convenhamos que a banda continha materiais suficiente e principalmente inúmeras músicas de qualidade pra preencher tranquilamente um álbum duplo. 

Mas ainda assim não tem como questionar que as músicas escolhidas pra fazerem parte de Genesis Live, formavam o que a banda tinha de essência até aquele momento, com faixas de 3 dos seus 4 álbuns lançados até aquele instante. Se bem que muitos fãs do Genesis muitas vezes ignoram até mesmo a existência do primeiro álbum do grupo, From The Genesis To Revelation, logo pode-se se dizer que de certa forma o álbum contem faixas dos “três únicos” trabalhos lançado até ali. 

Voltando ao que Genesis Live nos tem a oferecer, acho que poderiam ter incluído ao menos mais uma faixa do álbum Trespass, já que Knife acabou ficando “sozinha” no álbum, pois Foxtrot e Nursery Cryme estavam representados como duas faixas cada um deles, com isso, novamente a falta de atenção dada pela banda para com o álbum Trespass é destacada(embora de forma sutil), algo inclusive difícil de entender, pois trata-se de um ótimo disco que contem faixas que poderiam ser mais bem aproveitadas ao vivo. Mais um fato que é bastante curioso em Genesis Live é que na capa a foto frontal corresponde a apresentação teatral que Gabriel fazia durante as execuções de Supper´s Ready, que infelizmente só está presente no álbum na capa mesmo, uma pena, pois um disco de 6 faixas, mas que continha tal música não seria visto como algo tão incompleto assim.

O show de Genesis Live tem início com a faixa que também inicia o disco Foxtrot, embora nunca tenha visto um vídeo desse show propriamente dito, arrisco a dizer e sem medo de errar que trata-se de um inicio típico da faixa da época, que era com Gabriel aparecendo entre outros adereços e teatralizações, olhos pintados de brilho e com uma capa em meio a uma nuvem de fumaça de gelo juntas a algumas luzes um tanto escuras. 

Embora a faixa esteja cerca de um minuto mais longa, não se consegue notar absolutamente quase nada de novo, inicia-se com o melotron pra logo em seguida a acompanhamento dos pratos e baixo, por fim a guitarra aparece na faixa pra que Gabriel comece a cantar os primeiros versos do show, e por aí em diante, como disse, nada muito diferente de sua versão original, exceto por essa versão estar um pouco mais lenta, algo quase imperceptível. A segunda faixa novamente é uma do álbum Foxtrot, e diga-se de passagem sempre a achei uma das mais legais daquele período do Genesis, a forma com que Gabriel mostra toda a sua versatilidade como vocalista dando vida à vários personagens é no mínimo sublime, a história contada na faixa é algo sobre moradores de pequenos edifícios que estão sendo despejados por homens de negócios que querem ruas inteiras para a total. Escutar isso ao vivo é melhor ainda, mesmo que infelizmente em certos pontos o vocal acabou por ficar um pouco abafado, mas nada também que possa por em cheque a qualidade dessa versão. Novamente a canção parece estar um pouco mais lenta. 

Mas o destaque não fica por conta apenas de Gabriel, todos os instrumentos aparecem de forma bastante inspirada fazendo o resultado final da faixa não dever nada a de estúdio, pra alguns é uma versão até melhor. A metade exata de Genesis Live é marcada através da faixa The Return of the Giant Hogweed, canção que pertence ao álbum Nursery Cryme. achei essa versão inclusive melhor que a de estúdio, principalmente por eu como uma boa fã de Steve Hackett achar que aqui a banda deu mais espaço pra guitarra elétrica dele. É uma faixa desde a sua versão de estúdio é tocada de certa forma um tanto “agressiva” e que aqui nessa versão ao vivo, ainda se nota um pouco mais de “raiva”, principalmente no tema que finaliza a mesma que está um pouco diferente e mais pesado que o apresentado na versão original da música. A faixa que segue nesse curto porem histórico registro ao vivo do Genesis era uma verdadeira figurinha carimbada em concertos do grupo naquela época, Musical Box trata-se da outra faixa do Nursery Cryme presente em Genesis Live. 

A primeira coisa curiosa que se nota aqui é logo na hora que Peter Gabriel anuncia a faixa, onde não se escuta absolutamente nenhuma palma, simplesmente o público permanece em um silêncio extremo, fato no mínimo curioso. Novamente na minha concepção teve um resultado melhor que a versão de estúdio, dentre os destaques, impossível não citar a performance de Collins na bateria na partes mais progressivas da faixa alem de Hackett, que faz bonito com direito inclusive a uma espécie de “grito” com a sua guitarra, que chega inclusive a arrepiar o ouvinte. Gabriel também faz bonito, com a sua dramatização já conhecida nas apresentações ao vivo dessa faixa. Nem mesmo um deslize na letra quando ele as inverte, mas até isso foi feito de certa forma com muita elegância em não tirou nem 1% do brilho da faixa. A única faixa do álbum Trespass presente em Genesis Liveé a escolhida pra fechar a apresentação, Knife que também é a ultima faixa do seu álbum de estúdio, essa música está entre as minhas preferidas da banda. As funções que eram desempenhadas na época do seu lançamento por Mayhew e Phillips, agora estão mais do que bem preenchidas por Collins e Hackett. 

É visível isso principalmente quando Hackett se mostra extremamente profissional nos temas instrumentais da música, Gabriel tem acompanhamento em algumas partes pelos vocais de Collins, esse por sinal mostra-se mais uma vez um excelente baterista. Knife finaliza o show com um certo de gostinho de quero mais, deixando o publico com uma ar de “já acabou ?”, mas ainda assim não tem como negar que em 5 faixas a grupo deixou claro que ali estava uma das bandas mais incríveis da história do Rock Progressivo e que cravariam sem dúvida alguma como uma das mais criativas do gênero.

Músicos:

Phil Collins: Percussão, bateirass, vocais de apoio
Peter Gabriel: Fluta, Percussão, Vocal Principal.
Steve Hackett: Guitarra Elétrica, Violão de 6 e 12 cordas
Tony Banks: Teclados, Vocais de Apoio
Mike Rutherford: Baixo, Violão, Guitarra, Vocais de Apoio.
Phil Collins: Percussão, Bateria, Vocais de Apoio

Faixas:

1.Watcher of the Skies (8:36)
2.Get 'Em Out by Friday (9:13)
3.The Return of the Giant Hogweed (8:13)
4.Musical Box (10:54)
5.The Knife (9:45)

http://www.megaupload.com/?d=H8HABP94

Um comentário:

junio reis disse...

vamos ser parceiros?
meu blog e http://pubdorock.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...